Carreira na saúde: aprenda como se desenvolver nesta área

O contexto profissional tem mudado rapidamente com o desenvolvimento de novas tecnologias, da comunicação às inovações científicas. Esse novo momento tem exigido capacitação e atualização constantes para qualquer carreira na saúde. Afinal de contas, os desafios são muitos.

Para os profissionais da saúde, as mudanças trazem oportunidades inúmeras, assim como o avanço técnico e a adoção de ferramentas garantem maior eficiência em todas as esferas, incluindo a gestão de consultório.

Nesse período de transformação, gerenciar o próprio negócio requer o aprimoramento na gestão de empreendimentos médicos e capacidade de desenvolvimento de competências, além da facilidade de adaptação. Tudo isso deve fazer parte da construção de uma carreira alinhada aos novos cenários.

O ponto de partida na trajetória profissional é o direcionamento da sua carreira. Algumas reflexões iniciais precisam ser feitas para indicar o caminho que será trilhado:

  • você está satisfeito com a sua área de atuação?
  • exerce a posição que deseja?

Independentemente da resposta, será necessário tomar atitudes a partir das constatações. Se você percebeu que pretende dar um novo direcionamento à sua carreira na área da saúde, é importante avaliar as oportunidades e buscar a satisfação de fazer o que gosta.

A próxima etapa — que vale também para quem já atua na área e posição desejada — é estabelecer seus objetivos a serem alcançados a partir de agora. Isso é fundamental para colocar em prática um plano de carreira que fortaleça a sua presença no mercado e mantenha você alinhado com todas as inovações, tanto as atuais quanto as que estão por vir. Para ajudar nesse processo, elaboramos este guia. Confira!

O que é carreira profissional atualmente?

Atualmente, a carreira não se limita apenas à escolha da profissão. O conceito vem se consolidando mais como a forma como você usa seus conhecimentos e habilidades na sua atuação profissional. Um médico, por exemplo, pode estar muito mais voltado para a gestão de um empreendimento na área da saúde do que para o atendimento clínico propriamente dito.

Nesse caso, a formação médica não deixa de ser imprescindível, mas tende a estar mais condicionada à tomada de decisões sobre a condução de uma empresa. Da mesma forma, um advogado pode direcionar sua carreira para a área da saúde, buscando especializações que o permitam conhecer melhor a área na qual pretende atuar.

O que observamos hoje é a possibilidade de complementar conhecimentos de forma interdisciplinar, criando segmentações voltadas para o atendimento de demandas de cada área profissional, como o marketing para médicos, que aplica conhecimentos de mercado à medicina. Esse alinhamento é bastante vantajoso, pois permite que competências distintas se somem para melhorar resultados.

Nesse cenário, a carreira é construída sem ficar confinada à área principal de formação do profissional. Isso é muito bom, pois permite criar conexões mais adequadas às suas aptidões. Na prática, a construção de uma carreira bem-sucedida dependerá do trinômio CHA (conhecimento, habilidades e atitudes). Em conjunto, essas áreas ampliam o potencial profissional e as chances de alcançar as posições desejadas no mercado.

Conhecimento

O conhecimento é todo o esforço feito para obtenção de domínio teórico. Entram aqui a formação acadêmica e as especializações. No entanto, o conhecimento não se restringe à educação formal. Toda ação que resultar em aprimoramento técnico reforça o desempenho nessa área.

Na medicina, por exemplo, a informação é fundamental e fonte inesgotável de conhecimento. Profissionais da saúde precisam estar sempre atualizados e isso vai além da academia. A leitura de artigos científicos, de notícias e até mesmo o acompanhamento de sites especializados de credibilidade são formas simples, mas necessárias de aperfeiçoamento teórico.

Vale lembrar que essa prática deve estar alinhada com o direcionamento dado à sua carreira. No caso de um médico que pretende se desenvolver no empreendedorismo ou que está se preparando para liderança de equipes, buscar conhecimento sobre gestão de negócios e de pessoas é imprescindível.

Habilidades

Do conhecimento, passamos para a prática, pois ela é a responsável pelo desenvolvimento das habilidades. Tudo se resume à experiência. Novamente, não estamos falando da experiência tradicional, aquela do “tempo de serviço”. Aqui, o conceito tem muito mais a ver com a bagagem que você carrega.

Assim, vale o tempo de exercício na profissão, sem dúvida. Da mesma forma, valem também os aprendizados diversos, como o bom relacionamento com o paciente, capacidade de liderança, organização etc.

Atitude

As atitudes exercem uma influência enorme na construção de uma carreira na saúde. A forma como você age diz muito sobre o profissional que você é. Ter uma boa convivência com colegas da área ajuda a aprofundar seus conhecimentos. A interação com a equipe de trabalho também traz noções importantes sobre liderança e colaboração. Tudo isso se converte no desenvolvimento de novas habilidades.

Dificilmente um profissional chegará ao topo da carreira sem adotar atitudes compatíveis com a posição que deseja ocupar. As suas ações são e continuarão sendo constantemente observadas, o que é determinante para que se alcance uma promoção. No caso de quem conduz o próprio negócio, as atitudes vão ajudar a moldar a sua reputação e credibilidade no mercado.

Continue acompanhando este artigo. Mais à frente, abordaremos quais são os conhecimentos e habilidades fundamentais para a carreira na saúde.

Por que é importante planejar a carreira?

Não existe vento favorável para quem não sabe aonde quer chegar. Esse é um pensamento antigo, e vem do pensador romano Sêneca, mas nunca deixa de ser atual. Como você aproveitará oportunidades na vida se não sabe para onde está indo? Navegar ao sabor do vento é se deixar levar, aleatoriamente.

Isso vale para tudo na vida, inclusive, para a área profissional. Planejar a carreira nada mais é do que definir o ponto a que se quer chegar. Mas, afinal, como fazer esse planejamento? Experimente colocar em prática o seguinte passo a passo:

  1. Defina as metas para sua carreira;
  2. Elabore estratégias para alcançar seus objetivos;
  3. Projete prazos para cumprir cada uma das metas;
  4. Seja paciente e persistente;
  5. Reveja periodicamente seu planejamento e faça os ajustes necessários.

Quais são as competências fundamentais para carreira na saúde?

As competências serão a chave para você obter o sucesso na carreira. Na área da saúde, alguns aspectos ganham cada vez mais importância. Confira:

Realizar gestão de negócio

Ser capaz de fazer a gestão de negócios e de processos não favorece apenas o médico empreendedor. Para profissionais da área da saúde, em qualquer posição, os conhecimentos de gerenciamento são valiosos. Entre as prerrogativas da gestão de negócios, está a organização e a qualidade dos processos, que valem tanto para uma empresa quanto para as atribuições individuais dos profissionais.

Quem tem olhar atento à gestão desenvolve competências interessantes para o mercado, como capacidade de integração, aumento da produtividade, eficiência e busca por resultados.

Se você está à frente de um negócio ou lidera uma equipe, comece mapeando processos e instituindo métricas de mensuração. Assim, conseguirá identificar quais são os pontos fortes, que devem ser evidenciados sempre, e quais são os pontos fracos, a serem trabalhados e corrigidos.

Saber gerir pessoas

Gerenciar pessoas vem na sequência da gestão de negócios. Faz parte do conjunto que garantirá um ambiente de trabalho harmonioso e eficiente. Para isso, é importante desenvolver competências voltadas para inspiração, desenvolvimento, atração e retenção de talentos.

O bom gestor de pessoas precisa ser capaz de motivar sua equipe. Isso se alcança com direcionamento de profissionais para áreas em que têm maior afinidade e com o reconhecimento constante pelos bons resultados obtidos.

Perceba que motivação vai muito além do estímulo proporcionado pelas dinâmicas em grupo. Não é que palestras, treinamentos e a interação entre as pessoas sejam desimportantes e ineficientes. Pelo contrário, elas contribuem e muito para motivar. No entanto, é necessário observar aspectos que dizem respeito à satisfação pessoal e profissional.

Ser criativo e inovador

Criatividade e capacidade de inovação vão ajudá-lo a identificar oportunidades, contornar desafios e resolver problemas complexos. A questão é: como desenvolver a criatividade e a inovação? Só por meio do exercício diário. Vale atentar para algumas atitudes que estimulam esse processo, como:

  • ter um tempo livre (ocioso): isso ajuda a elaborar melhor as ideias e descansar a mente, para que ela trabalhe melhor;
  • ser curioso: busque respostas, pergunte e converse para expandir seus conhecimentos;
  • faça atividades físicas ao ar livre: lembre-se do ditado “corpo são, mente sã”;
  • tenha hobbies que estimulem sua criatividade: pode ser na área que mais seja agradável para você (gastronomia, música, artes etc.);
  • viaje: conheça outras culturas.

Resolver problemas complexos

A capacidade de resolução de problemas complexos é a competência mais necessária nesse novo cenário. Segundo levantamento feito pelo Fórum Econômico Mundial, solucionar questões complexas já é a principal exigência do mercado de trabalho para 2020.

O relatório aponta que, nos próximos dois anos, mais de um terço das atividades, em todos os setores econômicos, vão exigir essa competência. Uma forma de conseguir se desenvolver nesse aspecto é estimulando a criatividade e a inovação. Além disso, é importante treinar a capacidade analítica.

Ser capaz de integrar pessoas na avaliação de problemas e de considerar novas ideias também ajuda a resolver esses desafios. Além disso, trabalhar com projeção de cenários pode facilitar a tomada de decisão.

Buscar constantemente o aperfeiçoamento e conhecimento na área

Já destacamos acima qual é a importância da aquisição de conhecimento. Na área da saúde, esse objetivo se concretiza com formação consistente, fundamental para a atuação profissional no ramo. Cursos de extensão, pós-graduações e especializações garantem a atualização técnica necessária.

No entanto, isso não basta. Buscar constantemente o aperfeiçoamento e conhecimento na área pressupõe o acompanhamento de inovações e do desenvolvimento do segmento de atuação. Com avanço de novas tecnologias, processos e procedimentos — sobretudo, na saúde — são renovados com agilidade que nem sempre a formação tradicional alcança.

Entre uma nova tecnologia médica e outra, muitas vezes, não há tempo hábil para elaboração de um currículo formal de ensino. Portanto, o profissional deve ser proativo, buscando informações e mantendo-se atento a qualquer novidade. Participar de entidades e ter uma rede de contatos que permita a interação com outros profissionais e pesquisadores fortalece a obtenção do conhecimento.

Ter visão estratégica

A visão estratégica é uma competência importante para a carreira na saúde. O profissional deve ser capaz de desenvolver um olhar abrangente, enxergando o todo. Ou seja, a visão estratégica depende da visão sistêmica. As duas juntas facilitam a consolidação de processos ágeis e eficientes.

Definir estratégias é o ponto de partida para qualquer objetivo a ser alcançado. No dia a dia profissional, elas viabilizam procedimentos, garantindo produtividade e qualidade. É mais fácil trabalhar com uma programação estratégica para o dia, semana, mês ou ano.

O mesmo vale para a condução de negócios e gestão de equipes. É preciso que estejam elencadas as prioridades, metas e os planos de ação. Na prática, a estratégia se resume a isso. Destaca-se ainda a importância de observar oportunidades que, para serem alcançadas, também dependerão da visão estratégica.

Quais as habilidades para o exercício da carreira na saúde?

As habilidades, como citado anteriormente, decorrem da experiência. São, portanto, exercitadas diariamente. É importante conhecer as habilidades fundamentais para a carreira na saúde para desenvolvê-las cada vez mais.

Para profissionais da saúde, as principais habilidades estão centradas nas relações humanas, o que envolve tanto a atenção aos clientes quando aos colegas de trabalho. O exercício da convivência é desafiador, mas sempre traz muitos aprendizados. Veja as principais habilidades a serem desenvolvidas:

Empatia

Descrita como a capacidade de se colocar no lugar de outra pessoa, a empatia vai um pouco além desse conceito. Ser empático é reconhecer também que nem sempre se consegue estar na pele do outro, mas é plenamente viável compreender suas angústias, estar ao lado e ser solidário. Na humanização do atendimento, essa é uma habilidade fundamental.

Isso requer dedicação. Pessoas empáticas estão dispostas a dedicar atenção ao próximo, com interesse genuíno. É possível exercitar essa prática, conversando com quem nem sempre concorda com suas ideias. Não se deve criar um embate, mas um debate saudável de opiniões.

Nesse sentido, deve-se estar aberto a receber uma opinião contrária e a tentar entendê-la. É surpreendente como esse exercício mostra realidades e visões de mundo que, muitas vezes, ignoramos. Faça a experiência ocasionalmente. Será uma rica fonte de aprendizado.

Organização

A organização não apenas faz com que seu dia seja mais bem aproveitado como também ajuda a manter o foco no que realmente importa. Cada pessoa se organiza à sua maneira, pois isso depende muito da sua rotina.

Na área da saúde, nem sempre é possível contar com a previsibilidade ou com uma rotina rigorosa. Isso torna a organização ainda mais necessária. Se conhecendo bem a agenda de trabalho e compromissos, já é difícil cumprir com todas as tarefas diárias, imagine sem controle algum.

A chave para encontrar a melhor maneira de se organizar é conhecer bem o seu dia a dia. Ao fazer essa análise fica mais fácil identificar o que deve ser priorizado. Busque sempre ter uma agenda com o máximo de equilíbrio possível. O seu descanso e a dedicação às atividades pessoais também são preciosíssimos. Portanto, não deixe que a rotina profissional consuma todo o seu tempo.

É fácil falar, certo? Sim, é realmente difícil colocar em prática, mas vale a pena tentar. Algumas medidas tornam esse processo mais simples, como:

  • adotar softwares de gestão, que automatizem processos;
  • delegar funções;
  • definir prioridades;
  • estabelecer prazos para o cumprimento de tarefas;
  • usar aplicativos de gestão do tempo;
  • agendar compromissos de acordo com sua disponibilidade;
  • criar processos de trabalho.

Em suma, não tente “abraçar o mundo” e não perca o foco!

Escuta ativa

Como fica evidente, as habilidades para o exercício da carreira na saúde se fortalecem no diálogo. E, para isso, mais importante do que falar é saber ouvir. Um conceito importante a ser aprendido é o de escuta ativa. Essa é uma prática que consiste em ser um interlocutor atento, sobretudo, na capacidade de absorver o conteúdo transmitido por outra pessoa.

Nessa interação, quem fala tem uma mensagem a passar a quem escuta. O receptor que quiser colocar em prática a escuta ativa precisa ter atenção total à conversa. Isso quer dizer concentrar-se na informação que está sendo passada, sem interferências que possam distraí-lo desse propósito.

Você com certeza já presenciou ou vivenciou essa situação: enquanto se desenvolve uma conversa, quem ouve está mais focado no celular no que no outro. Quem nunca fez ou passou por isso? Isso deve ser um estímulo maior à adoção da escuta ativa. Afinal de contas, é muito desagradável falar sem ter de volta a atenção esperada. Mais do que isso: esse é o tipo de comunicação ineficiente.

Quer aproveitar melhor o seu tempo? Use a escuta ativa e estimule seus interlocutores a se dedicarem integralmente a ouvir com atenção. A comunicação efetiva e eficiente será mais rápida se emissor e receptor da mensagem conseguirem atingir seus objetivos de forma simples, evitando, assim, que a mesma informação tenha que ser transmitida mais de uma vez.

Flexibilidade cognitiva

Resumidamente, a flexibilidade cognitiva é a capacidade de adaptação. Existem pessoas que têm facilidade em rever planos e objetivos quando há mudança de cenário. Outras, pelo contrário, enfrentam grande dificuldade em alterar os propósitos. Nesse caso, são pessoas com rigidez cognitiva.

Isso não quer dizer que seus planos devem ser alterados a cada pequena mudança. Ter foco é importante. O que não se pode é insistir em um projeto ou em uma tarefa que não avança. Entenda a flexibilidade cognitiva como a capacidade de se manter em movimento na direção dos seus objetivos.

No dia a dia, a flexibilidade cognitiva se manifesta de maneira mais sutil. Durante um procedimento cirúrgico, um médico frequentemente enfrenta situações inesperadas. Embora a operação esteja bem planejada e organizada, algum novo fato exigirá mudança de planos. A capacidade de agir, buscando uma outra solução é imprescindível. É disso que se trata a flexibilidade cognitiva.

Em relação à gestão de negócios, igualmente, um empreendedor precisa saber se adaptar. E isso ocorre o tempo todo. Afinal, o gerenciamento de um empreendimento sofre influência de inúmeros fatores, como a adoção de estratégias para conquista de pacientes, resultados financeiros, entre outros.

Um funcionário de confiança que pede demissão é suficiente para exigir uma série de adaptações, por exemplo. Expanda isso para outras questões financeiras, operacionais e administrativas. Fica inquestionável a importância da flexibilidade cognitiva.

Inteligência emocional

Existe uma coisa em comum em todas as decisões que você toma: a inteligência emocional. Ela também está presente na forma como você se relaciona com outras pessoas e como reage às mais variadas situações.

De certa, esse aspecto já foi abordado em outros pontos deste artigo. O que é importante observar, aqui, é que estamos falando, sobretudo, do controle das emoções. Isso exige autoconhecimento, mas torna tudo mais fácil na sua vida.

Ter domínio emocional é uma forma de manifestação da inteligência. Nesse caso, aplicada de uma forma menos técnica e racional, mas igualmente importante e estratégica para obtenção de melhores resultados.

Em outras palavras, a inteligência emocional é uma forma eficiente de extrair o melhor de cada situação vivenciada e uma maneira de tomar melhores decisões. Para a carreira na saúde, essa habilidade resulta em interações mais empáticas com clientes e colegas de trabalho.

Liderança

Para desenvolver liderança, é necessário conjugar uma série de aptidões, muitas delas já citadas anteriormente. Mas a principal é o carisma, já que o líder precisa ser capaz de influenciar e motivar a equipe com quem trabalha.

O exercício da liderança varia de acordo com o perfil de quem está no comando. Há líderes que são mais centralizadores e outros que ficam mais à vontade ao delegar funções. Além disso, a forma como as pessoas são integradas nos processos e no ambiente de trabalho é outro aspecto a ser observado para quem está na posição de liderança.

Como desenvolver uma carreira de sucesso na saúde?

A carreira na saúde, como vem se configurando nos últimos tempos, vai exigir do profissional da área uma enorme capacidade de conciliar habilidades e conhecimentos diversos.

Áreas distintas como neurociência e robótica se aproximam com cada vez mais facilidade. Você vê isso como uma oportunidade ou um problema? Percebe como essa avaliação, no atual momento, é fundamental? E, a partir dela, é hora de colocar em prática seus planos. Elencamos algumas dicas que serão valiosas nesse processo:

  • tenha um propósito claro para a sua carreira;
  • não se restrinja à formação principal;
  • adquira conhecimento;
  • desenvolva habilidade;
  • adote atitudes e posturas compatíveis com sua carreira;
  • planeje o seu futuro;
  • crie um plano de ação;
  • mantenha o foco nos seus objetivos;
  • esteja sempre atento às novidades;
  • reveja seu planejamento periodicamente ou sempre que precisar.

A reflexão sobre o futuro da sua carreira tem muito a contribuir para o sucesso profissional e para a satisfação pessoal. Fazer essa análise agora é uma medida decisiva para garantir a adaptação ao novo contexto social e tecnológico.

Na área da saúde, de forma geral, as mudanças já estão aceleradas. O uso de análise de dados, por exemplo, já é uma realidade que exige aperfeiçoamento dos profissionais do ramo.

Pesquisas atualmente desenvolvidas se destacam pelo potencial de revolucionar a medicina, como o uso da inteligência artificial para auxiliar no diagnóstico de doenças e desenvolvimento de medicamentos. E não para por aí, pois os avanços se propagam entre todas as especializações, com destaque para a neurologia, favorecida, inclusive, pela robótica.

Ficar parado não é mais uma opção. Assim como restringir conhecimentos e habilidades à formação acadêmica tradicional já não supre mais a necessidade de atualização da carreira na saúde.

E você, como está lidando com essas transições? Já planejou como conduzirá a carreira na saúde? Compartilhe este artigo nas redes sociais e expanda esse debate. Novas opiniões são sempre bem-vindas!